Please reload

Notícias Recentes

Procurando trabalho? Província no Japão contrata ninjas em tempo integral

05.03.2018

 

Cansou de distribuir currículos e não obter resposta? Ou da vida chata de busão cheio, marmita e escritório? Uma organização de turismo da província de Aichi, no centro do Japão, está oferecendo vaga de tempo integral para quem quer trabalhar como... ninja!


Enraizados no imaginário popular mundial, os ninjas eram agentes secretos ou mercenários na época feudal do Japão, especializados em técnicas de combate não convencionais. Ter sua presença indetectável e manejar armas discretas como as estrelas shuriken eram algumas das capacidades exigidas pelo serviço durante os séculos 15 a 18.

 

Para os ninjas atuais, no entanto, as exigências são um pouco menores. O ou a postulante ideal seria alguém com habilidades acrobáticas ou em artes marciais; uma pessoa comunicativa e capaz de se dar bem com o público em geral, em especial as crianças; e, claro, ter interesse na cultura japonesa como um todo e no universo dos ninjas, especificamente. Além disso, é preciso falar japonês e inglês, pelo menos o suficiente para conversar com os visitantes.

 

O trabalho também é bem diferente do realizado no passado. Ninjas dos dias de hoje participam de apresentações em eventos e locais turísticos como o Castelo de Nagoya, na capital da província; atende turistas em balcões especializados e, quem sabe, pode até vir a aparecer na mídia. O salário não é lá muito alto. Fica entre ¥180 mil e ¥220 mil (algo entre R$5500 e R$6700), com seguro de saúde e bônus adicionais.

 

No entanto, as vagas são limitadas a japoneses ou estrangeiros residentes no Japão. O período para o envio de currículos vai até o dia 13 de março e informações detalhadas podem ser obtidas através deste link.

 

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
RSS Feed
RSS Feed
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon
  • White Instagram Icon

© 2017 por Direto do Japão/Roberto Maxwell. Todos os direitos reservados.