Hitotachi - Nina Takahashi: corpo são, mente sã

Atualizado: Mai 28



Conheci poucas pessoas com a candura e o coração bom que a Nina tem. Aliás, fazia anos que não encontrava uma pessoa tão encantadora à primeira vista. Já a conhecia à distância, através do pai dela, o agitador cultural Jo Takahashi. Mas foi aqui em Tóquio que eu pude criar uma relação com a Nina e uma das coisas me chamou a atenção: o modo natural com que ela trata o próprio corpo. E não estou falando do vício dos dias de hoje, que é a adrenalina de academia e proteinato. A Nina educa seu corpo com a dança e a yoga e, com isso, faz a gente ter um outro olhar acerca do nosso próprio corpo.


Neste momento em que eu estou passando por várias mudanças de olhar sobre mim mesmo, incluindo aí uma dieta para perder peso como processo, estar com a Nina, mesmo à distância que é o que este delicado momento nos permite, é uma inspiração. Por isso, decidi convidá-la para responder às minhas perguntas sem nexo nesta edição da coluna Hitotachi. Mergulhe nas respostas que vão muito além da superfície.


Quem é você na fila do lámen?

Eu sou Nina Takahashi, tenho 28 anos e terceira geração de imigrantes japoneses. E, na fila do lámen, depende se eu vou sozinha ou acompanhada (rsrsrs). Quando vou sozinha, sou aquela que olha o cardápio por um tempão para escolher a melhor opção e garantir a melhor experiência. Aproveito para fazer stories ahaha. Quando vou acompanhada, gosto de aproveitar esse tempo na fila pra bater um bom papo com a pessoa. Então, sempre que vou acompanhada à um ramen-ya [restaurante de lámen], é com alguém especial para mim. De ambas as formas, a fila do lámen nunca foi um martírio.

Onde você está se escondendo?

No Japão. Onde especificamente, é segredo (rsrsrs).

Qual a onda que você está criando no momento?

A gente muda na dor e no amor, né? No meu caso, foi pela dor que mudei para um estilo de vida mais saudável e equilibrado. Desde criança, sempre gostei de esportes. Mas saúde não é apenas nutrição e exercícios físicos. Nosso estado mental exerce força sobre tudo que nós fazemos e energias que atraímos, por isso procurei a praticar a ioga.


Comecei a postar nas redes sociais coisas que eu aprendia e achava interessante sobre nutrição e saúde e, com o passar do tempo, descobri que muitas pessoas mudaram o estilo de vida delas vendo os meus posts. Muitos deles se tornaram meus alunos. Isso me deixou muito feliz.


Na minha primeira aula, eu sempre pergunto para os alunos "o que é mais importante na sua vida?". A maioria das pessoas respondiam carreira, família, trabalho etc. Agora, com o surgimento do covid-19, os alunos novos estão respondendo melhor a essa questão. A pandemia está nos ensinando que, sem saúde, não conseguimos realizar nossos sonhos. A maior onda que quero criar na minha vida é a saúde e harmonia com a Mãe Terra. Acho que cuidar da saúde sempre vai valer a pena fisicamente e economicamente. Essa é uma das poucas certezas que tenho sobre a vida. 


Que tipo de coisa é capaz de te tirar da tua concha?

Imprevistos e basicamente tudo o que eu sou inexperiente em fazer. Falta de dinheiro e comida também (rs).

O que te faz chorar um litro de lágrimas?

Sou muito emotiva. Choro muito fácil com filmes e seriados. Também não consigo lidar muito bem com a rejeição e com as perdas. Choro fácil quando alguém ao meu lado está triste. Já chorei muito sem ter um motivo e com ataques de pânico mas, depois de mudar meu estilo de vida, graças a Deus, isso não acontece mais.

Qual foi o último sonho de que você se recorda?

Estava sobrevoando a cidade, o céu estava rosa por causa do pôr-do-sol e estava chovendo pétalas de sakura [flores de cerejeira]. Eu peguei com a mão, uma dessas pétalas.

O que você levaria para uma estadia na Terrace House?

Brigadeiro e pão de queijo caseiro de omiyage [lembrancinha] pros outros integrantes provarem.


O que te tira do zen?

São tantas que não consigo nem listar (rs). Desde imoralidade até bater o dedinho do pé na quina da cama. É por isso que eu pratico o zazen, um tipo de meditação (rs), tentando sempre melhorar nesse sentido.

Qual é a coisa mais Japão que você possui?

Cultura e valores passados de geração em geração, na minha família. Meu rosto que vejo todo dia no espelho, não me faz esquecer. 


Me diz uma coisa que ninguém pode saber.

Difícil essa pergunta... Acho que já contei até meus podres pra todo mundo (hahaha).


Encontre a Nina Takahashi no Instagram: @nina_takahashi.

289 visualizações
  • White YouTube Icon
  • White Instagram Icon

© 2017 por Direto do Japão/Roberto Maxwell. Todos os direitos reservados.