A Família Imperial é um microcosmo da sociedade Japonesa


A Família Imperial Japonesa

Em agosto de 2016, o imperador japonês Akihito se dirigiu à nação pela TV. Era a segunda vez em seus então 27 anos de reinado que Sua Majestade falava diretamente ao povo na televisão. Com expressão serena, o monarca discursou sobre sua idade avançada, as condições de sua saúde e disse, ainda, estar refletindo sobre seu "papel" e "obrigações" daquele momento em diante. Sem usar nenhuma vez a palavra abdicação, o Imperador Akihito deu um sinal claro de que gostaria de discutir sua renúncia ao trono. Já no dia seguinte ao pronunciamento, os japoneses mostraram seu apoio ao monarca. Os súditos entenderam que o imperador tinha o direito de descansar.

Não foi a primeira vez que a Família Imperial e o trono japonês estiveram no centro do debate público nos últimos anos. Em 2005, o país discutia a possibilidade de reformar a Lei de Sucessão Imperial para que fosse permitida a ascensão ao trono de uma mulher. Naquele momento, o Príncipe-herdeiro Naruhito tem apenas uma filha, a Princesa Aiko. Com a gravidez da Princesa Kiko — esposa do Príncipe Akishino, segundo filho mais velho do imperador — as discussões foram suspensas. Meses depois, o nascimento do Príncipe Hisahito enterrou de vez a história. A linhagem masculina do trono estava garantida.

Em setembro deste ano, a Princesa Mako — neta mais velha do imperador e filha do segundo na linha sucessória ao trono — anunciou seu noivado. A data do casamento ai