• Redação

Festival no Japão celebra o pênis e estrangeiros não sabem como lidar


Muitos ocidentais têm uma visão distorcida do Japão, classificando o país como bizarro. De um modo geral, trata-se de uma visão distorcida quando não preconceituosa e movida pelo desconhecimento. Mas é preciso, também, ter em mente que muita coisa acaba fugindo da compreensão justamente por causa da desinformação. Uma delas é, sem dúvida, o Kanamara Matsuri, o Festival do Falo de Ferro, realizando anualmente no primeiro domingo de abril, na cidade de Kawasaki, vizinha ao sul da província de Tóquio. Como toda festividade tradicional, o festival é rico em vestimentas, músicas e danças típicas. Também não faltam barracas de comidas e altares mega enfeitados. Mas o “protagonista” do Kanamara é, sem sombra de dúvidas, o órgão do corpo humano que lhe dá o nome, o pênis.

Na forma que se conhece hoje, o Kanamara é um festival recente. A procissão, que tem início ao meio-dia, gira em torno de três mikoshi, santuários portáteis. Cada um deles carrega um pênis. Abre a procissão o Kanamara Funamikoshi, com seu falo de ferro, que representa a lenda que deu origem ao festival. A narrativa conta que uma mulher tinha um demônio na vagina que decepava o pênis dos homens que tentavam transar com ela. Um pênis de ferro foi forjado, então, para arrancar a criatura de dentro dela. Lendas semelhantes povoaram por milênios as mentes de homens de diversas culturas.

Em seguida, vem o Elizabeth Mikoshi, o santuário portátil que carrega um pênis rosa, o mais popular e irreverente do festival. Homens que carregam o Elizabeth devem vir vestidos de mulher e mulheres, de homens. Por isso, o mikoshi ficou associado à diversidade sexual. O santuário portátil rosa foi doado ao festival por um grupo de crossdressers de Tóquio.

imagem: Jordan Cheung/Creative Commons 2.0

Encerrando a procissão, o mais tradicional dos três andores, o Kanamara Omikoshi, com o seu falo de madeira.

O festival é ligado ao Santuário Kanayama, que fica dentro do Santuário Wakamiya Hachimangu. Sua origem data do Período Edo (1604-1868) e o local foi ficando conhecido por atrair as prostitutas e cortesãs locais em busca de proteção contra doenças sexualmente transmissíveis. Com o tempo, o falo de metal passou também a ser o local onde casais passaram a fazer suas preces por fertilidade e por um casamento bem sucedido.

Até ser descoberto por estrangeiros, o Kanamara era um pequeno festival frequentado apenas pelos locais. No entanto, o estardalhaço em torno do 'culto ao pênis' acabou fazendo com que a festividade crescesse e atraísse curiosos de todo o planeta. Em 2018, com certeza, não vai ser diferente...

1:38 | Kanamara Matsuri

Serviço

Santuário Kanayama

2 minutos a pé da estação Kawasakidaishi da linha Keikyu Daishi

ERRAMOS:

O texto dizia que o festival é realizado no primeiro domingo de maio. A data correta é o primeiro domingo de abril. O erro já foi corrigido.

#tradição #cultura

433 visualizações
  • White YouTube Icon
  • White Instagram Icon

© 2017 por Direto do Japão/Roberto Maxwell. Todos os direitos reservados.